segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Distante...


Reler-me sempre me foi tão estranho,
Cada palavra, cada sílaba!
Estranhamente como não consigo! Entender-me...
Profundidades tão distantes de mim...


Surpreendido por mim mesmo!
Eis aquele que talvez nunca se entenda...
O dito desdito! Desmorona sobre simples perguntas!
De não saber o porquê de nada...


Dias que passam-se agonizantes em mim
Talvez seja tudo um sonho sombrio...
Pois quando sonhamos nada entendemos!


E me agarro a pensamentos dos mais diversos!
Tornando esse caminho ainda mais sinuoso!
E se afastando de mim tristemente...


Nuwanda...

Nenhum comentário: