terça-feira, 31 de maio de 2016

Desalento




Que me venha nesta noite novamente
Os versos mais escuros destrutivos!
Do devir miserável de tudo que é vivo
Ilusões do grande sonho de nada morrer!

E tudo que se sonha é poeira no ar!

Onde tentamos agarrar nesse curso tão sinistro
Para ver que tudo é vão! Divergente!
E choramos com o que poderia ter sido...

Nada mais torna-se fácil!

Nossos destinos destruídos
Artifícios das nossas próprias quimeras!

No chão olhamos como tudo é de verdade!

Alicerce dos sonhos em derrocada...
Entre os escombros ergue-se o muro da impossibilidade!

Raul...(Marginal)