segunda-feira, 30 de março de 2009

Tempo


Areias do tempo correndo entre meus dedos...
Cada grão que se vai nunca voltará...
Areias fugidias que desperdiço constantemente!
Quem gostaria de para sempre viver?


Que fuga é essa de mim mesmo?
Que outra vida poderia me apresentar?
Nem mesmo um caleidoscópio de vidas,
Nenhuma nunca seria suficiente para mim...


E o tempo se desfaz nesse momento...
Junto com sonhos que não ouso sonhar,
Sonhos que se vão nas areias do tempo...


Vazios que insisto em vida chamar!
Revolta que pleiteio sem saber contra o quê?
E neste viver assim tão pleno! Tempo! Passe logo de uma vez...



Nuwanda...impaciente!

domingo, 29 de março de 2009

A esperança



A Esperança não murcha, ela não cansa,
Também como ela não sucumbe a Crença.
Vão-se sonhos nas asas da Descrença,
Voltam sonhos nas asas da Esperança.
Muita gente infeliz assim não pensa;
No entanto o mundo é uma ilusão completa,
E não é a Esperança por sentença
Este laço que ao mundo nos manieta?
Mocidade, portanto, ergue o teu grito,
Sirva-te a Crença de fanal bendito,
Salve-te a glória no futuro - avança!
E eu, que vivo atrelado ao desalento,
Também espero o fim do meu tormento,
Na voz da Morte a me bradar; descansa!

Augusto dos Anjos

quinta-feira, 26 de março de 2009

Paz

Em meio a tantos desencontros
Em meio a tantas dores
Sentindo que tudo esta perdido
Desfalecendo em meio a este caos...


Mas! Hoje digo não a toda esta loucura!
Hoje eu quero a paz!
Mas meu querer não é egoísta
Quero a paz pra mim e pra você...


Paz...Uma palavra tão simples,
Paz...Uma palavra tão pequena,
Paz...Tão difícil de retê-la...


Nas pequenas coisas nos pequenos gestos,
Podemos alcança-la dia após dia,
Hoje eu quero a paz! Além deste poema...



Nuwanda...Em meio à crianças

segunda-feira, 23 de março de 2009

Tua dor...


Tua dor em minha dor...
Tua sina em minha vida...
Destinos separados?
Em doses de loucuras tao próximas?

Neste caminho solitário no qual andamos,
Nos enganando com sonhos sombrios...
Tentando sempre um sentido achar...
Por que sinto essa ausência tão próxima?


[Tudo está tão frágil...


Vontade de acabar tudo repentinamente!
Dia após dia em desgraça!
Vivendo sob o peso de minhas covardias!


Pois todo momento que clama por mim,
Que oras por minha ajuda!
Teu clamor é ferrete em meu peito...


Sentindo tuas dores...
Pode o príncipe deixar a flor?
.
Nuwanda...

terça-feira, 17 de março de 2009

Viver?


Que louca jornada é esta?
Que nos arranca de nossas camas?
Desde a aurora até o anoitecer...
Nos dizendo que temos muito a caminhar!


Quantos desafios a superar?
Quantas lágrimas a secar?
Haverá risos ainda? Mesmo que poucos?
Quantos amores ainda a amar?


[Quem pode dizer que já amou?


E começar de novo e de novo...
Onde foi parar a inocência?
Como ver as coisas com outros olhos?


Encarar a vida é encarar tantas dúvidas...
Se já não busco por respostas...
Porque não paro de questionar?



[perda de tempo...



Nuwanda...Desenterrando fantasmas?

domingo, 15 de março de 2009

Dor


Existe uma dor escondida...
Que me fere sem ninguém saber...
Todo dia, toda hora sem descanso...
Ferrete em brasas, marcando-me a alma...


Esta dor preciso esconder de ti..
Esta mácula em minha essência,
Esta sensação de nada mais valer a pena...
Quem terá salvo quem?


Cada vez mais profundo...
O que tanto procuro?
Será que valerá a árdua busca?


Consumir a mim mesmo e tudo a minha volta?
Já faz tempo que desisti de respostas...
Que dor é esta que deixa tudo assim?


[não sei...



Nuwanda

sexta-feira, 13 de março de 2009

Segundos...


Fechado em mim completamente só!
Nada tinha brilho ou alegria...
Angústia de contemplar a mim mesmo...
Nos torvelinhos de minha agonia!


Mas! Eis que surge você!
Música delirante em meus ouvidos!
Sonhos impossíveis...Possíveis?
Delírio de pensar descabidamente...


Agora tudo que busco é dançar!
Dançar e não mais pensar!
Não mais conjecturar! Quero é sentir!


Cada segundo! Cada fração de segundo...
Não seria essa a maravilha de nosso momento?
Saber que um dia tudo irá findar?



[...Só me resta te amar....



Nuwanda...

terça-feira, 10 de março de 2009

Sonho...


Estarei eu dormindo?
Seria isso mais uma ilusão?
Rodopios ensandecidos em minha cabeça...
Estarei eu me lançando novamente da morada dos anjos?


E novamente caído...
Despedaçado, juntando os cacos?
De joelhos eu penso em tantas coisas....
Porque as palavras me deixaram?


Não importa! Nada importa!
Pois hoje estive em companhia da magia...
Magia em cada gesto e cada palavra...


Nada importa! Nada mais!
Só você importa agora...
Sonhos dentro de sonhos...



Nuwanda...estranho


quarta-feira, 4 de março de 2009

Noções


Entre mim e mim, há vastidões bastantes
para a navegação dos meus desejos afligidos.

Descem pela água minhas naves revestidas de espelhos.
Cada lâmina arrisca um olhar, e investiga o elemento que
a atinge.

Mas, nesta aventura do sonho exposto à correnteza,
só recolho o gosto infinito das respostas que não se
encontram.

Virei-me sobre a minha própria existência, e contemplei-a
Minha virtude era esta errância por mares contraditórios,
e este abandono para além da felicidade e da beleza.

Ó meu Deus, isto é a minha alma:
qualquer coisa que flutua sobre este corpo efêmero e
precário,
como o vento largo do oceano sobre a areia passiva e
inúmera...

Cecília Meireles