quinta-feira, 14 de julho de 2016

Cavaleiro


Eu não quero a efemeridade das flores!
Quero o que não existe mais nesse mundo!
Quero aquilo que permanece, que perdura!
Quero o amor verdadeiro, quero senti-lo!

Por isso tanto sofrimento...
Tanta dor, tanta angústia...
É o querer que me traz o sofrer
É teu amor que dilacera meu riso...

E diante de tudo que se desfaz.
Verto as lágrimas pelo que sinto
Te amar sempre mais, ser mais...

Dilacerado em mil pedaços...
Visto novamente esta armadura.
Feita de desdém, de orgulho... De solidão...

Nuwanda. V.L.A.I...