terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Máscara


Já não lembro-me mais de teu rosto
A cada dia desaparece um pouco mais
Teus traços...Tua face...Teu olhar...
Já não consigo mais lembrar-me...


E como tenho me esforçado pra te Olhar!
Por mais que corra em desespero!
Não para de afastar-se de mim
Perdendo-se na escuridão...Abra os olhos?


Talvez tenha razão quanto as tantas máscaras
Mas não pode-se negar que essa que vês
Tem-me sido a mesma por vários anos
Já será agora pele?


Tens a coragem de arrancar-lhe?
E ver o que nem eu mesmo ouso desnudar?
Ver que não sobrou nada do que você sequer conheceu?
Encare! O vazio que sou agora...


Nuwanda... Quando escrever deveria ser uma terapia?

Farol?


Ouve! O barulho que estremece estas paredes?
Ouve! O estertor que se faz presente em meu silêncio?
Pode a estrutura suportar tanta fúria desmedida?
Como olhar nesta limitação atroz?


Mesmo no brado desesperado de meu definhar
Vejo-me caído num mar de dúvidas viscerais![banais?]
Como alguém pode seguir por este farol incerto?
Pode haver alguém mais perdido do que eu?


Desprovido de ilusões...Sendo agora tão necessárias!
Meu humor negro nestas horas tão escuras
Certamente já deixou-me de ser conveniente
Talvez um dia ria de verdade realmente...


Nos meus passos vacilantes tão frequentes
Porque não consigo libertar-me deste egoísmo...
Querer ser mais! Ser mais! Ser mais!
Queria deixar ver em miniatura,
Como é desconcertante ver as coisas tão pequenas!

Posso suportar qualquer coisa!
Qualquer peso! Qualquer dor...
Neste mundo de seres tão pequenos!
Só não resisto a mim mesmo...


Nuwanda!

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Tempo


Todos sonham em viver para sempre
Será essa a razão do mundo assim ser?
Incompreensível aos olhos meus?
Porque tudo que existe é criado?
Tanto tempo a juntar meros trocados?
Tanto trabalho em vão, tanto sofrer!
A maioria dos mortos-vivos anda triste sem saber...
Inclusive eu!
Talvez o mais triste neste cemitério!
O que não é neste átomo uma ilusão?
Esses carros! Essas casas! Esses amores!
Passar dentro de peneiras por empregos?
Basta um segundo a contemplar
Esses grãos de areia a voar!
E perceber enfim que tudo esta a ir...
Pedaços que não voltam mais,
Neste segundos vividos a perder
Nestas vidas medíocres sem saber
E no final todos morrer...


Nuwanda.