segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Repetidamente


Falta-me tantas coisas
Tantos gestos tantos momentos...
Falta-me passos a seguir neste ir
Neste caminhar solitário que me encontro...


Fechei-me! Hermético e imbecil!
É impressionante a altura destes muros
E como me falta o ar nesta prisão...
Respirando este odor bolorento!


O que adiantarão os gritos?
Ninguém pode ouvi-los...Ninguém...
Me sinto sufocar cada dia mais
Neste morrer lentamente, medíocremente!


As palavras se repetem neste lamento sem fim...
Não são versos eu também já sei
São murmúrios covardes e inúteis...
Então tira-me esta alcunha de poeta!


Madrugadas infindáveis!
Agonias intermináveis!
Gemidos insuportáveis!
Vazios insondáveis...


Agora entendo o porquê
De tanta falta de vontade
Agora percebo enfim a indiferença
São o findar de palavras e sentimentos...


[Repetidos...Exauridos....


Que me pedem um final
Uma atitude!
Um pragmatismo!
O que fazer confesso que ainda não sei...


Nuwanda...Covarde...

Nenhum comentário: